quarta-feira, 8 de abril de 2015

[Opinião] A crise existencial de Mordekaiser


  Hoje, enquanto estava voltando para casa depois das aulas (ainda estou no Ensino Médio), tive o prazer de testemunhar uma pessoa parada em frente á academia que eu passo todos os dias ouvindo funk no último volume, e claro, sem fones de ouvido. Não tenho nada contra os funkeiros, que isso fique bem claro, e esse nem é o ponto que eu quero chegar. O que me chamou a atenção foi que o cidadão em questão era aparentemente um gótico hardcore, todo trabalhado na depressão e com tanta maquiagem que eu não conseguia distinguir se era um desenho animado ou um ser humano. E por quê eu estou contando isso? Na verdade, é para fazer uma breve analogia com um campeão de League em especial.
  Casos desse tipo eu defino como crise existencial; a pessoa está tão desnorteada que não consegue se estabilizar em um único conceito e se questiona o tempo inteiro "quem sou eu, e para quê eu sirvo?". Enfim, isso é uma breve introdução para quem não conhece ou nunca ouviu falar sobre. O meu foco nesse post é justamente explicitar um campeão que poderia perfeitamente se encaixar como um perdido, ou como já dito, um desnorteado. Um personagem tão inconsistente que nem mesmo a própria Riot consegue trabalhar em cima da sua história e temática. Esse é Mordekaiser, o Mestre do Metal.
  Basicamente, eu só consigo definir esse campeão como um metaleiro, porque ele mesmo faz questão de afirmar isso o tempo todo, e é provável que se não falasse, eu iria sequer pensar nessa possibilidade. Em sua página oficial, Mordekaiser é descrito como um mago que está entre os mais terríveis e odiosos espíritos que assombram a Ilha das Sombras. Sepultado em uma antiga armadura, diz-se que o Mestre do Metal é o primeiro dos mortos vivos (...). Ahn, ok, vamos por partes.
  Se você não conhecesse o campeão e eu te falasse que ele é um mago, o que você pensaria? Um chapéu pontudo? Uma varinha, ou um cetro, talvez? Quem sabe roupas compridas? Bom, Mordekaiser usa uma maça pontiaguda gigantesca e uma armadura de cavaleiro medieval, e seus "feitiços" são pedaços de metal voando por todos os lados e, de novo, maças brotando do estômago do adversário. Sua aparência é, descrevendo de forma ignorante, bruta. Lembra nitidamente um guerreiro do século V, sanguinário e querendo destroncar o adversário. E que não liga nem um pouco pra música.
  Não estou dizendo que criar um campeão que é mago e sua arma é um bastão com uma bola de ferro  na ponta cheia de espinhos perfurantes é errado, longe disso. O que estou tentando passar para vocês é a falta de coerência geral do Mordekaiser. Ele não é um campeão para ser levado a sério (apesar de ter um dano monstruoso), e sim é uma sátira com o próprio conceito de "mago", todo cuidadoso e cheio de magias coloridas e fofinhas. E convenhamos, uma lasca de ferro rasgando sua carne não é exatamente fofinho.
  Mas uma coisa não deixa de ser verdade: a história do campeão é desconexa. Sabemos que ele é da Ilha das Sombras e é um morto-vivo, mas como ele chegou nessa situação? O que ele era? O que ele é? São perguntas que talvez não tenham uma resposta definitiva nesse momento.
  E você, o que acha do Mordekaiser? Escreva aqui embaixo sua opinião, quero saber se concorda com o que eu disse ou acha que não é exatamente assim que a banda toca (poderia ser a Pentakill, não é?).

  Este texto não reflete a opinião oficial da Pwn3ed. Suas informações são de total responsabilidade do autor.


Jaum

Sobre o autor:


Redator da Pwn3ed, 16 anos e nascido no interior de São Paulo. E não, eu não falo poRteira.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial