quarta-feira, 6 de maio de 2015

[Opinião] 8 equipes, 5 organizações - o que nos mostram os resultados desse classificatório?


As organizações Keyd, INTZ e KaBuM!, juntamente com a pain e a CNB, dominam segundo split do CBLoL esse ano.

Com as já esperadas classificações das equipes Keyd Warriors e INTZ Red, bem como a permanência da KaBuM! Orange, apenas 5 organizações se fazem presentes no topo do cenário brasileiro de League of Legends. E essa mudança não passa nem perto de ser coincidência.

Primeiro, o fato de termos apenas as maiores organizações de League of Legends competindo entre os oito melhores deve garantir maior profissionalismo e preparo ao cenário, com gaming houses estruturadas e treinadores/jogadores dedicados 100% ao split. O peso de uma organização estruturada foi sentido nesse primeiro semestre principalmente pela Dexterity, que conseguiu uma gaming house apenas após o início do CBLoL e viu uma disparada na sua performance, chegando ao 5º lugar na primeira fase. Já pudemos sentir, também, o preparo de ambas as equipes novatas - o que, entre outros fatores, se deve ao grande suporte que eles possuem extra campo.

INTZ Red (segundo time da INTZ) comemorando a classificação no CBLoL em cima da JAYOB.

Se melhoramos a estrutura, contudo, estamos perdemos em "diversidade": Tendo apenas 5 organizações no topo, os patrocínios e grande parte do investimento envolvendo o competitivo de League of Legends vai girar em torno dessas organizações - que já giram muito dinheiro. A longo prazo, isso pode estagnar o cenário, impedindo uma continuidade do crescimento geral. O Circuito Desafiante é uma ótima oportunidade para as equipes e organizações menores se manterem jogando durante o semestre em que não estão no CBLoL, mas não é metade da visibilidade. Ainda que algumas, como a própria Dex, estejam em alta em outros ramos do eSport, e que o próprio eSport está em constante crescimento e aumento em patrocínios, peixes pequenos podem ter cada vez menos espaço para nadar no LoL brasileiro.

Por último, vale lembrar que, até o ano passado, os "times B" vinham sendo grandes oportunidades para as equipes maiores apostarem em jogadores das filas solo brasileiras, trazendo um ou dois jogadores com mais experiência no cenário competitivo. Só que, além de revelar apostas, o "time B" da KaBuM! (Black), mostrou que nada devia para sua irmã Orange, trazendo atuações consistentes de jogadores novos, como Matsukase e SkyBart, e mandando a equipe campeã do CBLoL 2014 para a repescagem. Não é a regra, mas devemos abrir o olho para os novos integrantes do CBLoL: Eles, além de qualidade, tem toda estrutura para crescer.

TL;DR? Não vou conseguir afirmar se é bom ou ruim o fato de termos apenas 5 organizações, mesmo que de grande porte. Ganhamos em estrutura e, possivelmente, teremos um CBLoL mais homogêneo. Podemos perder em diversidade na frente, e eu gostaria de analisar mais adiante se houve impacto no Circuito Desafiante.

Este artigo não representa a posição oficial da Pwn3ed. Suas informações são de total responsabilidade do autor.



Faca na Bota

Sobre o autor:


Ruivo, sem alma, best Cait Disqus e coordenador da equipe de competitivo da Pwn3ed.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial