quinta-feira, 16 de julho de 2015

[Opinião] A estereotipagem é prejudicial?


  Não é de hoje que a maioria das personagens femininas do mundo dos games são feitas sob o estereótipo de "mulher perfeita". Apesar de ser bem difícil achar uma Miss Fortune no nosso dia-a-dia, as produtoras responsáveis pela criação de diversos jogos continuam desenvolvendo heroínas e vilãs mega-turbinadas, sensuais e envolventes, o que acaba ofendendo certos grupos, estes que alegam prática de sexismo contra a mulher verdadeira, que supostamente não poderia ter aquele corpo. Enfim, para esses grupos, ser bombada e atraente não é "normal".
  Antes de começar a argumentar, acho importante deixar claro que existe uma grande diferença entre a vida e o universo virtual. Em suma, o que é criado pelo ser humano para ser apresentado em um monitor não tem limites físicos e biológicos, ou seja, não é obrigatório (nem divertido) desenvolver uma cópia perfeita da realidade para que o público a consuma. A intenção dos jogos é justamente tirar o jogador da realidade, pelo tempo que for, para que ele possa aliviar o estresse que o mundo o faz passar. Nos games, não existem patrões, relatórios a serem feitos e filhos a buscar na escola.
  Falando das personagens femininas e sua aparência, esse debate passa longe de ser novidade. Na verdade, sempre fiquei sabendo de amigos que, na infância, eram proibidos de consumir certos jogos como Lara Croft porque era muito "sexual". Isso na época em que os gráficos não passavam de quadrados e a personagem sequer pensava em beijar alguém! Veja bem: eu até entendo que alguns pais não gostam de ver seus filhos jogando games de luta ou tiro por achar que isso os influenciaria a ser "terroristas" um dia (apesar de existirem inúmeros estudos comprovando que o jogo, da temática que for, não consegue influenciar alguém a fazer determinado ato, positivo ou prejudicial - confira um deles aqui), mas não permitir que seu filho se divirta com um jogo só porque ele contém uma personagem com peitos foge do aceitável. O engraçado é que isso não ocorre com as meninas, que manejam bonecos mais do que estereotipados e ainda são incentivadas a isso desde bebês. Aparentemente, segurar uma Barbie com físico de super modelo nas mãos não teria as mesmas consequências que jogar com uma. Você já parou para refletir sobre isso?
  League of Legends é um prato cheio para quem gosta de encontrar defeito em tudo. Desde a temática dos campeões até o seu físico, tudo é considerado influência negativa. Mas é importante esclarecer: LoL é um jogo, não uma escola. Não existem, no client, tutoriais ensinando o jogador que aquele é o modelo certo de corpo em uma mulher (talvez porque não exista um). Posso te garantir que o Morello não chega nos designers de campeões e diz:
- Então, eu preciso que vocês criem uma personagem mega estereotipada para influenciar os jogadores a acreditar que toda mulher deve ser assim para lhes satisfazer. Você topam?
  É muito difícil achar algum player que tem (por exemplo) a Ahri como sua main simplesmente por ela ser "gostosa". Nós, jogadores, não escolhemos campeãs por elas serem sexy, mas sim pelo seu estilo de jogo. Existe, sim, a estereotipagem no mundo dos games, mas ela tem um nome que soa melhor: liberdade artística. Se você não curte um jogo por ele conter personagens sensuais, não crie uma polêmica desnecessária. Há uma solução mais prática: pare de jogar.
  Concorda com o que foi dito? Tem algo a acrescentar? Comente aqui em baixo, pois eu quero muito saber a sua opinião! Até a próxima quinta :D

Este artigo não representa a posição oficial da Pwn3ed. Suas informações são de total responsabilidade do autor.

Jaum

Sobre o autor:


Redator da Pwn3ed, nascido no interior de São Paulo. E não, eu não falo poRteira.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial